Jeito brasileiro de ser espirita2019-03-02T13:23:13+00:00
Jeito brasileiro de ser espírita
Antropóloga estuda história e linhas de força que lutam pela hegemonia da religião no Brasil

Apesar de contar com 6 milhões de espíritas declarados e outros milhões de simpatizantes, a história e a prática dessa religião ainda não tinham transposto os muros acadêmicos. Para suprir essa lacuna, a antropóloga Sandra Jacqueline Stoll escreveu Espiritismo à brasileira (Edusp, 296 páginas, R$ 35), originalmente uma tese de doutorado em Antropologia Cultural na USP. Confrontando dois personagens fundamentais, Chico Xavier e Luiz Antônio Gasparetto, Sandra identificou novas linhas de força da religião espírita, desde o início dividida entre uma corrente cientificista, predominante na Europa, e outra que privilegia o aspecto moral, hegemônica no Brasil. Nesta entrevista, ela explica as novas divisões do espiritismo: de um lado, a ligação com o catolicismo, expressa na aceitação voluntária, por Chico Xavier, dos votos monásticos de pobreza e castidade. De outro, a Nova Era e a auto-ajuda de Gasparetto, que prega a realização pessoal e o sucesso.

O que a levou a estudar o espiritismo?

– Eu tinha curiosidade de rever a interpretação da inserção do espiritismo na cultura religiosa brasileira. Quando se analisam certas tendências do campo religioso, os grupos mencionados são os católicos, os carismáticos, os neopentecostais e os grupos afro-brasileiros. Suprir essa lacuna foi uma das motivações dessa pesquisa. Mas havia também a figura extraordinária de Chico Xavier, que, apesar da unanimidade conquistada dentro e fora do meio espírita, não tinha sido ainda objeto de pesquisa antropológica. O mesmo ocorre com outro médium de destaque, Luiz Antônio Gasparetto. Suas pinturas mediúnicas chamaram tanto a atenção que ele chegou a ser levado para a Inglaterra, para se apresentar na BBC.

No livro, você compara a doutrina espírita francesa, fundada por Allan Kardec, com a brasileira. Elas acabaram se tornando religiões diferentes? Ou as diferenças são, basicamente, resultantes de comportamentos culturais distintos?

– A doutrina de Allan Kardec teve uma larga difusão na França, assim como no Brasil, no século 19. Nestes dois países, porém, as características assumidas pela doutrina não foram as mesmas. Na França, a produção das obras de Allan Kardec tinha como tema central a teoria da evolução. Essa era a tônica dos debates científicos e religiosos na Europa na época. Já no Brasil, apenas em círculos sociais restritos esse debate encontrou ressonância. Em contrapartida, o aspecto moral da doutrina espírita foi rapidamente assimilado, por seu estreito comprometimento com o ideário cristão. O que demonstro no livro é que esse ideário foi aqui reinterpretado, criando-se um »estilo católico de ser espírita». O médium Chico Xavier é o paradigma dessa construção. Sua imagem pública foi construída com base na noção católica de santidade. Isso se expressa no estilo de vida por ele adotado, marcado pela incorporação gradativa dos votos monásticos católicos: obediência, castidade, renúncia aos bens materiais. Traduzidas como »sacrifício de si», essas práticas, juntamente à caridade, também assimilada do universo católico, conferem ao espiritismo uma marca arraigadamente católica, cultura religiosa dominante no país. Não se trata, porém, de uma outra religião, já que os preceitos doutrinários do espiritismo no Brasil são os mesmos lançados na França.